O presidenciável Jair Bolsonaro conferiu o desenvolvimento do programa econômico a um ultraliberal. Paulo Guedes, CEO do Bozano Investimentos e doutor pela Universidade de Chicago, tem conversas quinzenais de quatro a cinco horas com o deputado para debater temas econômicos.

Em entrevista ao jornal ‘Folha de S. Paulo’, Guedes defende a privatização radical e critica o plano econômico da Constituição de 88.

“Nós perdemos tempo no combate à inflação. A morte do Tancredo [Neves, em 1985] foi uma infelicidade. O Tancredo era um veterano de 1964, quando ele viu a democracia se perder pelo problema inflacionário. Quando ele vê a inflação subindo, entra dizendo: é proibido gastar, vou controlar os gastos públicos. Quando nós fomos para congelamento de preços, Cruzado, esse tipo de coisa, nós nos perdemos, nós fomos na direção da Venezuela, para a hiperinflação”, diz.

O economista diz que “privatizar tudo” é a solução para zerar a dívida mobiliária e a dívida pública federal interna.

“É só fazer a conta: dois anos atrás foram R$ 500 bilhões e ano passado, R$ 380 bilhões de juro da dívida. Bota isso 25 anos. Dava para ter acabado com a miséria?”, diz.

“O governo é muito grande, bebe muito combustível. Mas se você olhar para educação, saúde, ele é pequeno. Já que a democracia vai exigir a descentralização de recursos para Estados e municípios, o governo federal tem que economizar. Onde? Na dívida. Se privatizar tudo, você zera a dívida, tem muito recurso para saúde e educação. Ah, mas eu não quero privatizar tudo. Privatiza metade, então. Já baixa metade da dívida”, completa.

Fonte Notícias ao Minuto

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here